Ciclone em SC vai causar perigo e destruição como no RS? Entenda | TN Sul

0

Um ciclone em formação no Oceano Atlântico é motivo de atenção para meteorologistas e para aqueles que acompanham de perto as condições climáticas nesta quarta-feira (13). Conforme apontado pelo meteorologista Piter Scheuer, trata-se de um fenômeno meteorológico que trará uma verdadeira “montanha-russa” no tempo. 

“Esses próximos dias para pegar uma gripe ou algo do tipo é bem fácil. Isso porque estará frio na sexta-feira e quente no fim de semana”, explica o meteorologista.

O fenômeno, de acordo com Piter, não é o mesmo ciclone que afetou o estado vizinho, Rio Grande do Sul, nas últimas semanas. Pelo contrário, há um novo ciclone em formação, que traz alerta para a população.

As chuvas intensas que causaram enchentes e deixaram estragos em dezenas de cidades gaúchas provocaram 47 mortes no Rio Grande do Sul.

Segundo a Defesa Civil do Rio Grande do Sul, os números do impacto causado pelos recentes eventos são significativos: um total de 3.130 pessoas foram resgatadas em 99 municípios afetados. Até o momento, 4.794 indivíduos foram registrados como desabrigados, enquanto 2.318 permanecem nessa situação. Além disso, há 20.517 desalojados e um impressionante total de 347.652 pessoas afetadas. Infelizmente, 925 pessoas ficaram feridas durante esses eventos, sublinhando a magnitude dos desafios enfrentados pela comunidade.

O ciclone devastou cidades do Rio Grande do Sul e 47 pessoas morreram. – Foto: Governo do RS/Reprodução

Já em Santa Catarina, a Defesa Civil diz que um novo ciclone deve passar pelo Estado entre a noite e a madrugada de quinta-feira (14).

Segundo a pasta, o ciclone pode trazer temporais com chuvas intensas, rajadas fortes de vento e granizo. Há ainda risco moderado a alto de destelhamentos, alagamentos e enxurradas.

Os ventos, soprando do norte/noroeste, podem atingir intensidades moderadas, com rajadas que variam entre 50 e 70 km/h. Essa situação exige cautela, especialmente para atividades ao ar livre e para a segurança de estruturas.

Quanto às temperaturas, a região próxima à divisa com o Rio Grande do Sul deve manter valores mais amenos. Entretanto, nas áreas que compreendem a Grande Florianópolis e o norte do estado, as temperaturas se aproximam dos 30°C. Portanto, é importante estar preparado para possíveis variações climáticas ao longo do dia.

Outro aspecto a ser considerado é o estado do mar. Espera-se que ele se torne agitado no final do dia, com ondas virando para sudeste, alcançando alturas entre 1,0 e 1,5 metros, com picos que podem atingir 2,0 a 2,5 metros. Navegadores e banhistas devem ficar atentos e tomar precauções adequadas.

Ciclone muda o tempo

A quinta-feira (14) começa com chuvas fracas e isoladas do Meio-Oeste ao Litoral Sul devido à influência de um ciclone no mar que traz umidade para o continente. À tarde, o tempo se estabiliza à medida que o ciclone se afasta e uma massa de ar seco e frio avança, fazendo as temperaturas caírem rapidamente.

Os ventos serão moderados a fortes, especialmente nas áreas costeiras entre o Litoral Sul e a Grande Florianópolis, com rajadas que podem atingir até 80 km/h. Isso pode causar quedas de galhos e problemas na rede elétrica, com um risco moderado a baixo.

As temperaturas vão diminuir ao longo do dia, com mínimas à noite abaixo de 5°C na Serra e entre 6 e 12°C nas demais regiões. Isso traz um risco moderado a baixo de ocorrências relacionadas ao declínio acentuado das temperaturas.

O mar estará muito agitado, com ondas entre 2,0 e 2,5 metros e picos de 3,0 a 3,5 metros, havendo risco de ressaca. O risco é moderado a alto para ocorrências relacionadas ao mar agitado.

*Via ND+

Source link

Leave A Reply

Your email address will not be published.