Deficiente visual de Cocal do Sul aprende a resolver o cubo mágico | TN Sul

0

Como é um cubo mágico e como podemos fazer para resolvê-lo? É um objeto colorido com cores que podem ser embaralhadas e que tem como desafio colocar todas de volta em cada uma das suas seis faces quadradas. A resolução exige a aplicação de uma série de passos para que as camadas sejam arrumadas. É desta maneira que a maioria das pessoas costumam explicar este quebra-cabeça tridimensional que o mundo inteiro conhece. O sul-cocalense Laélio Inácio, 54 anos, acadêmico de jornalismo da UniSatc, não pode definir o cubo com as mesmas palavras. Ele é uma pessoa com deficiência visual total. Há aproximadamente 23 anos, perdeu a visão devido a um glaucoma agressivo.

Laélio lembra das cores, porém não as memoriza porque é tempo perdido e energia desperdiçada. Depois de aprender os algoritmos de resolução pelo método de camadas com uma colega da faculdade, passou a fazer parte de um grupo de cubistas que apresentam a mesma deficiência e trocam experiências pelas redes sociais. “Eu sei que o meu cubo tem uma face lisa oposta a outra com florzinhas, uma face com triângulos oposta a outra com quadrados e uma face com bolinhas oposta a outra com bolonas. Sei que tenho que sincronizar as peças iguais. Eu digo que embaixo é a garagem, depois tem o primeiro andar do prédio, o segundo andar e o terceiro andar e na parte de cima é o telhado”, explicou.

No mês passado, ele ganhou dois cubos diferentes e um tetraedro que é conhecido como piramynx, adaptados para pessoas com deficiência visual. Os objetos foram idealizados pelo professor de matemática, Armando Paulo da Silva, e pela professora de Ciências, Solange Margarida Campioto da Silva. O casal mora em Cornélio Procópio, no Paraná. Durante a execução do projeto de cubo mágico em escolas, eles conheceram crianças com essa deficiência e tentaram ajudá-las. Solange também é artesã e ajudou a testar chatons que são peças usadas em artesanato, lisas de um lado e com algum tipo de desenho geométrico do outro. “Testamos pedrinhas adesivadas, madeiras, várias coisas. Foi na cidade de Maringá que vi os chatons e começamos a aplicar. Tem o tronco de pirâmide com base quadrada, pirâmide de base triangular, as calotas, as meias esferas e as florzinhas. Colamos as peças com correlação tátil para facilitar a aprendizagem”, explicou o professor.

Os professores demoraram dois anos para chegar a uma configuração ideal e tem como objetivo torná-lo o padrão brasileiro. Este projeto beneficiou aproximadamente trinta pessoas até o momento. “Existem muitas leis, a propaganda é bonita, mas na prática a acessibilidade não acontece. Segundo o último censo somos mais de meio milhão de brasileiros totalmente cegos. Então, este projeto pode ser espalhado para ajudar muitas pessoas e ajudar no desenvolvimento de suas habilidades”, avaliou Laélio.

Nesta última quarta-feira, dia 18, alunos da Escola Cristo Rei, de Cocal do Sul, tiveram a oportunidade de conhecer um pouco da história do morador do bairro Monte Carlos. A motivação que gerou este encontro foi despertada pelo interesse dos alunos em aprender a resolver o cubo mágico e o exemplo que ele dá ao querer aprender coisas novas.

O sonho dele em ser universitário era antigo, mas as condições econômicas da família impediram que continuasse os estudos quando jovem. Em 2004, ele terminou o Ensino Médio e em 2019 voltou a estudar depois de ouvir uma propaganda do ENEM. Ele trabalhou em lavoura, fábrica, como garçom, foi massagista, candidato a vereador e fez trabalhos na igreja que frequentava. Mas sempre desejou ser jornalista para atuar em rádio onde já tem experiência. “Quero não esqueçam que a pessoa vem antes da deficiência eu nunca desistam dos seus sonhos”, finalizou deixando esta mensagem aos estudantes.

Cocal do Sul realizará o 2º Campeonato Municipal de Cubo Mágico

O 2º Campeonato Municipal de Cubo Mágico de Cocal do Sul será realizado no dia 21 de outubro, no horário das 8 às 11 horas, na Praça Mariza Terezinha Búrigo Pagnan (praça coberta).

As inscrições podem ser feitas antecipadamente com os professores das escolas Demétrio Bettiol e Cristo Rei, Lucas dos Anjos ou Ana Lúcia Pintro. Serão aceitas inscrições no dia do campeonato no horário das 8h às 9 horas. A expectativa é que o número de inscritos seja superior a 30 competidores.

Os três primeiros colocados serão premiados com medalhas. Os alunos da Escola Cristo Rei que participarem das provas serão presenteados com um passeio na Trilha do Salto Branco, em Treviso.

Source link

Leave A Reply

Your email address will not be published.