Evandro Santo solta o verbo e não poupa elogios à Patrícia Abravanel: “Tentou pegar o horário do Raul Gil”

Evandro Santo opinou sobre Patrícia Abravanel e não poupou elogios a filha de Silvo Santos a respeito da crítica que ela fez ao sobrinho

Sem freio na língua, Evandro Santo falou o que pensa de Patrícia Abravanel. No decorrer de sua participação no podcast Inteligência Ltda Veja, o humorista discursou sobre o comercial da herdeira de Silvo Santos para o Santander, em que ela critica Tiago Abravanel, seu sobrinho.

Fico vendo as baixarias. Por exemplo, vou sair do banco Santander. Eu tava vendo uns comentários dos comerciais que estão falando tanto, que a Patrícia Abravanel tá fazendo”, iniciou.

“Eu olhei aquele comercial… seu Santander me faz com a Patrícia Abravanel. Eu falei: ‘mano, a mulher tem dinheiro pra caralh*’. O Tiago Abravanel é gay, gordinho. Pelo que a gente percebeu, rejeitado dentro da própria família e pediu pra sair. Porque ficar em um reality… um cara sensível como ele, não pode”, afirmou Santo, que em seguida detonou a apresentadora:

Chata, sem talento. Tentou pegar o horário do Raul Gil, teve três programas e caiu. Eu não gosto. Uma coisa é você ser filha do dono e ser boa, mas ela não é boa. Ela pega e faz um comercial, que ela não precisa de dinheiro, falando do sobrinho, jogando indireta. Como é que não tá a cabeça do Tiago Abravanel agora? E se esse cara tem uma depressão? E as pessoas achando engraçado”.

“Você não é brava, você é chata. Bravo é teu pai, que é do caralh*. Um ídolo maravilhoso chamado Silvio Santos, que montou a coisa toda. E não sei porque essa menina insiste. Tem gente boa“, disparou.

Confira:

Evandro Santo comenta sobre luta contra a dependência química

Em uma recente entrevista ao portal Quem, o comediante, que chegou a se internado em uma clínica para se tratar, fez um desabafo emocionante: “Já tive fases na minha vida que fui muito feliz, mas tinha consciência naquele momento. Agora, tenho plena consciência desse momento importante que estou vivendo. Não vão me ver ter recaída. Vão ter que me aturar até a hora que eu cansar de brincar com a minha cara e adotar uma aparência mais séria. Vou dar um nó na cabeça das pessoas com isso, sim. É uma delícia (risos)”.

“Comecei o tratamento na Moreira, fiquei lá seis meses e depois fiz três meses de estágio. Mas precisava dessa mobilidade para poder me movimentar. Agora estou em Atibaia, no Espaço Sinergia. Aqui é uma residência com terapia assistida, onde a pessoa sai, usa internet, faz home office e toda semana ela tem que fazer exame tóxicológico e se positivo, ela sabe que não ficará mais aqui”, detalhou.