Mulher de 23 anos morre após tomar medicamento errado em unidade de saúde ” Ela ficou roxa”

A jovem identificada como Oberleide Rosário de Jesus, 23 anos, veio a óbito após tomar uma medicação errada em uma unidade de saúde.

Uma jovem de apenas 23 anos veio a óbito no pronto-socorro do Quietude, em Praia Grande, que fica localizado no litoral de São Paulo, após fazer uso de uma medicação na unidade de saúde e apresentar manchas roxas pelo corpo.

Familiares de Oberleide Rosário de Jesus desconfiam de negligência médica, e pedem que o caso seja devidamente investigado e inclusive já registrou boletim de ocorrência contra o hospital.

De acordo com a cunhada da jovem que veio a óbito, Josefa Ilda dos Santos Oliveira, Oberleide buscou a instituição de saúde se queixando de febre e dores de cabeças. A jovem teria sido medicada com dipirona e logo em seguida recebeu alta.

Todavia, de acordo com informações de Ilda, a jovem passou a noite toda com febre e foi encaminhada mais uma vez pelo marido e cunhado ao pronto-socorro. “Lá, eles deram mais medicamentos para ela, não sei especificar quais, e ela começou a apresentar essas manchas roxas pelo corpo todo, sentindo uma queimação“, esclarece.

Ilda ainda revelou  que chegou a unidade de saúde para ver a cunhada por volta das 13h e foi informada por um médico que o estado da paciente era preocupante. Porém, ao ser perguntado pela família, os profissionais de saúde alegaram não saber o que a paciente tinha, no entanto, mais tarde informaram que ela precisava ser transferida para um hospital com UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

De acordo com a cunhada da jovem, a vaga, foi disponibilizada por volta das  16h, “mas um médico disse que ela estava fraca e que não ia aguentar a transferência”. “Ela já estava com dificuldade para respirar, sentindo muitas dores, falava que não estava suportando tanta dor, que a perna dela estava travada, que o corpo inteiro estava queimando“, conta.

Diante ao exposto, a jovem acabou vindo a óbito por volta das 17h e a família voltou a perguntar os médicos. “Eles falavam que nem eles estavam entendendo o que estava acontecendo, que poderia ser dengue hemorrágica, embolia, mas tudo isso era hipótese“, disparou.

A gente quer que seja esclarecida a morte dela, a gente quer uma resposta para o que aconteceu. Ela era uma moça saudável, não dá para acreditar