Olhem o que vai sair!

O cisto sebáceo (epidermoide) é um nódulo de poucos centímetros, não cancerígeno, de formato arredondado, que cresce lentamente sob a pele em qualquer região do corpo como resultado do acúmulo de secreção, ou seja, ele nada mais é do que o canal de uma glândula sebácea entupida.

O cisto sebáceo pode ocorrer devido a uma ferida ou corte nas regiões onde ficam as glândulas sebáceas ou por resultado de acne, onde há bloqueio na abertura do folículo, causando assim uma inflamação e fácil proliferação de bactérias. Ele pode surgir em qualquer parte do corpo, mas é mais frequentemente observado na orelha, couro cabeludo, rosto, pescoço e costas.
Este cisto pode ser facilmente identificado se forem observados os seguintes aspectos:
• Semelhante a um caroço, sendo arredondado e possuindo crescimento lento ao longo do tempo;
• Em certos casos pode causar dor, dependendo da região;
• Pode se mover durante a palpação;
• Existência de um orifício (semelhante a uma espinha).

A remoção do cisto sebáceo consiste em um pequeno procedimento cirúrgico, sob anestesia local, sendo removido junto a sua “cápsula”, para evitar que ele volte a crescer e se encher de secreção novamente. Em casos de infecção, o médico pode indicar o uso de antibióticos, porém em casos que não possuem infecção o médico pode indicar que a pessoa faça apenas uma compressa de água morna onde o cisto está localizado, onde ocorrerá a dilatação do ducto da glândula sebácea, facilitando a saída espontânea da secreção do cisto.

Não é recomendado apertar ou espremer o cisto devido aos riscos de causar uma infecção ou acarretar em alguma lesão nos tecidos do local.
Geralmente os cistos sebáceos são benignos, mas em alguns casos, após sua extração o médico pode solicitar o envio de parte do conteúdo para análise laboratorial, para assim descartar as chances de ser um câncer, principalmente se a pessoa já teve câncer anteriormente ou se houver histórico familiar.