Revolta: Bebês aparecem amarrados com lençóis e chorando em vídeo na creche e pais ficam revoltados, Assista;

Imagens chocantes mostram crianças presas, imobilizadas em cadeiras de bebês, com lençóis, e logo gera revolta de pais e responsáveis, que acusam a diretora da Escola de Educação Infantil Colmeia Mágica, de maltratar as crianças. A polícia investiga está escola infantil na Zona Leste de São Paulo, onde teria suspeita de maus-tratos infantis, após vídeos serem divulgados pelas redes sociais, onde mostram cerca de quatro crianças chorando, enquanto estão amarradas pelos braços e pernas, pôr panos, em uma espécie de camisa de força.

Nas imagens que contém no vídeo, é possível ver que as crianças aparentemente estão dentro de algum banheiro, sentadas, presas em suas cadeiras de bebê, postas no chão, próxima de pias e privadas. A escola do bairro Vila Formosa, está sendo alvo de um inquérito policial, que foi aberto após a divulgação das imagens, pela Central Especializada de Repressão a Crimes e Ocorrências Diversas (CERCO), a delegacia investiga também uma suspeita de periclitação da vida e saúde, que se dá ao pôr vida de crianças em risco.

De acordo com informações, a denúncia chegou a cerca de duas semanas ao CERCO, por meio dos vídeos que circularam pela Internet. Ainda em investigação, a polícia tenta identificar quem teria feito as imagens, mas até o momento ninguém foi responsabilizado pelo tal ato. A Escola Infantil Colmeia, cuida de crianças de 1 ano de idade, até 6 anos de idade, sendo do berçário ao jardim. No passado, a escola já havia sido alvo de uma suspeita de maus-tratos a um aluno, em 2010, onde uma aluna veio a falecer no hospital, após passar mal dentro das instalações escolares.

Tendo em vista tais informações, a investigação solicitou um mandado de busca e apreensão na unidade escolar, por ter indícios de que seriam crimes recorrentes. Nesta última semana, a Justiça autorizou que a polícia recolhesse os lençóis que teriam sido usados para prender as crianças, além do celular da diretora ter sido apreendida para análise.